Banner

Banner

Total de visualizações de página

3 de outubro de 2013

A Fraude de um Quadro


Seria fraude do pintor
Ou seria tal pincel subordinado
Para que atentasse à beleza deste quadro
De mãos tremulas intermináveis
Oculta em seu conteúdo duvidava...
Causando um narcótico premeditado
Sobre a exuberante obra do pintor
Artista habilidoso, submisso e vaidoso...
Subsecivo ao decifrar tamanha exatidão
O seu pensamento inepto e inerte
Incontrolável pela obsessão
De um sentimento estranho
Seria o tal insensato, entusiasta ou banal...
Em seu conteúdo contestado
A exposição dos amantes imaginários
O rosto triste de uma criança que sorria
O boêmio narciso na qual descansava
Nos seios da mãe prostituída
Um curioso milionário
Não entendeu tamanha revelação
Pois comprou a obra-prima sem explicação
Na malicia do pintor
Talvez estivesse a resposta
Inconformado e impaciente
O comprador questionou!
Não o sorriso da criança
Mas da mãe a visível apreensão
Ao longe esta ouvira dizer
Promessas de um político em ação...
Replicou o comprador!
Não vejo nenhum político senhor
Treplicou o insolente pintor!
Não reparou que todo político
Esconde-se por trás de suas palavras.

Marcelo Zacarelli
Itaquaquecetuba, Maio de 2002 no dia 03