Banner

Banner

Total de visualizações de página

21 de junho de 2015

Bico de Lacre



Tu és uma fêmea arisca
Tua boca vermelha e viva
Incendeiam meus lábios que abdica
A morte, por que não a vida

Tu és pequena toda vida
Franzina, exibida...
De canto doído, sofrido
Cativeiro de saudade, amor desiludido

Te amo em abril
Quando acasalas meu corpo febril
Te amo também em maio
Quando se faz necessário

Mas este tom da tua boca
Já não é pro meu bico
Fruta de pecado, carne louca
Bico de Lacre, amor de improviso.


"Homenagem à Fernanda Villarim Zacarelli"

Marcelo Zacarelli
Village, 30 de Agosto de 2014