Banner

Banner

Total de visualizações de página

26 de agosto de 2009

Navio Negreiro

Cremilda Ribeiro














Navio negreiro, que flutuas no oceano...
A caminho da América pesarosa em teu seio
Vestido de negrume és incólume cargueiro
De escravos humilhados, exilados e profanos.

 Covardes escravocratas, imundos traficantes...
Que conduzem a negraria sem destino e sem porte
Húmiles negroides entregues a própria sorte
Infelizes algemados destas dores sois amantes.

 Negros africanos, fugitivos são do próprio destino...
És vitima deste negreiro que transporta sofrimento
Do necrófago oceano, torturado e quase morto!
Sepultado sobre as águas sem piedade e sem respeito.

 Entre os livros vasculhados, sublinhados e sem glória...
Esquecidos na estante, escrevinhados nesta história!
Por sua pele cor negrume, e cabelo esdrúxulo!
Falso júri de vaidade notória
Ignoram o testemunho de um negro sem memória.


 Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba Abril de 2002 no dia 29.